jusbrasil.com.br
17 de Novembro de 2018

STJ decidirá se Participação nos Lucros integra base de cálculo de pensão alimentícia

AUDIÊNCIA BRASIL, Administrador
Publicado por AUDIÊNCIA BRASIL
há 8 dias

Valores de participação nos lucros e resultados devem integrar a base de cálculo de pensão alimentícia paga por empregado? A controvérsia está em análise na 2ª seção do STJ, em caso de relatoria do ministro Ricardo Cueva. O julgamento foi afetado à seção pela 3ª turma.

Em sessão de agosto, Cueva proferiu voto mantendo o acórdão do TJ/SP vedando a inclusão da PLR na base de cálculo.

Conforme Cueva, a participação nos lucros e rendimentos, por sua natureza esporádica, incerta e não habitual, não pode ser compreendida nos conceitos de salário, vencimento ou provento. Os alimentos, quando fixados em percentual incidente sobre o salário mensal do devedor, incidem somente sobre a sua remuneração ordinária, não alcançando, em princípio, valores eventuais.

Segundo o voto do relator, o objetivo da PLR é estimular as empresas a, independentemente de lei, adotarem planos de participação nos lucros em favor dos empregados, sem o ônus de que essa prestação seja considerada como salário.

Divergência

Na sessão desta quinta-feira, 8, o ministro Marco Buzzi proferiu voto-vista divergente do relator. O ministro destacou que o tema ainda não possui enfrentamento uniforme nas turma, de modo que há julgados em ambos os sentidos.

Em seu voto, Buzzi argumenta que a PLR é uma devida contraprestação pelo desempenho laboral, e sua percepção beneficia o grupo familiar, não importando se é variável ou não.

“O aferimento da participação de lucros e resultados integra sim a remuneração do alimentante e deve refletir na possibilidade de sustento de sua família, não podendo falar em natureza indenizatória, porque não visa compensar um dano mas estimular a produção.”

O ministro citou que a lei 10.101/00, ao disciplinar a matéria (art. 3), estabelece:

“§ 10. Na determinação da base de cálculo da participação dos trabalhadores nos lucros ou resultados, poderão ser deduzidas as importâncias pagas em dinheiro a título de pensão alimentícia em face das normas do Direito de Família, quando em cumprimento de decisão judicial, de acordo homologado judicialmente ou de separação ou divórcio consensual realizado por escritura pública, desde que correspondentes a esse rendimento, não podendo ser utilizada a mesma parcela para a determinação da base de cálculo dos demais rendimentos.”

Assim, prosseguiu Buzzi, o regramento não impossibilita, sequer proíbe, na verdade permite a inclusão na base de cálculo dos alimentos da importância de PRL. Resumidamente, o ministro considerou:

(i) a PLR não representa benefício de natureza indenizatória, não visa ressarcir o empregado de algum dano, mas incentiva a produtividade;

(ii) a PLR representa verdadeiro acréscimo patrimonial ao seu titular ainda que eventual, sujeita-se sim a tributação do IR;

(iii) não há se falar q a PLR tem por finalidade recompor eventual prejuízo de caráter temporário, porquanto tem por objetivo a integração entre o capital e trabalho, atuando como instrumento de incentivo da produtividade da empresa e seus empregados, com cunho remuneratório.

Buzzi citou entendimento da 1ª seção da Corte no sentido de que, que para fins de incidência do IR, a PLR tem nítido caráter remuneratório, sendo afastada a natureza indenizatória.

“A verba recebida a título de PLR objetiva estimular a produtividade do empregado tratando-se portanto de rendimento decorrente da relação de emprego e dessa forma não impede que seja considerado na base de cálculo de pensão a título de alimentos. As parcelas de PLR configuram rendimento devendo integrar a base de cálculo da pensão fixada, uma vez que o conceito de rendimentos é amplo.”

Dessa forma, votou por reformar o acórdão paulista, de modo a incluir a PLR na base de cálculo dos alimentos.

Diante do minucioso voto, o ministro Ricardo Cueva pediu vista regimental. Os demais ministros aguardam para votar.

Processo: REsp 1.719.372

(Fonte: STJ)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

➡️ Gostou da Publicação? Recomende!!

👍 CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

✔️ KIT DO ADVOGADO - 14X1 - Restituição do ICMS Energia Elétrica /Revisão da Vida Toda / Bancário / Previdenciário / Penal e Muito Mais!!

✔️ PRÁTICA EM DIREITO DE FAMÍLIA - Diversos Modelos de Petições Atualizados!!

✔️ GUIA USUCAPIÃO 2018 - Entenda todos os requisitos de todas as espécies do Usucapião!! Confira!!

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Entendo que a PLR não deve integrar a base de cálculo para pagamento de pensão alimentícia.

Por outro lado, fica uma questão: - Ora, se horas extras,que são esporádicas e algumas vezes, eventuais, similares, portanto, à Participação nos Lucros e Resultados, são plenamente acatadas em caso de pensão alimentícia, por que a PLR não seria?
Oh, dúvida cruel!
Complica ainda mais, quando penso no FGTS... Que já integra valores de pensão alimentícia! continuar lendo

O assunto é de grande importância, vista questões de alimentos serem uma forma de "sobrevivência" do alimentado. Assim, em meu entendimento a "PLR - Participação em Lucros e Resultados" tem que compor a base de cálculo da pensão alimentícia.
Ademais, a PRL sofre incidência de Imposto de renda (PF e da PJ), assim, não se pode falar em indenização, e sim em rendimento pelo esforço máximo em resultados.

Att. Carlos Eduardo Vanin continuar lendo