jusbrasil.com.br
26 de Maio de 2020

Juíza suspende advogada do exercício profissional até ela devolver processo que está em sua posse

AUDIÊNCIA BRASIL, Administrador
Publicado por AUDIÊNCIA BRASIL
há 2 meses


Acolhendo pedido do Ministério Público de Goiás (MP-GO), a juíza Ítala Schmidt, da comarca de Cocalzinho de Goiás, suspendeu uma mulher do exercício da advocacia, até que restitua em cartório os autos da ação penal de nº 201701733492, em sua posse ilegalmente, sob pena de decretação de prisão preventiva.

A advogada foi denunciada pelo promotor de Justiça Eliseu da Silva Belo por cometer crime contra a administração da Justiça, ao sonegar papel ou objeto de valor probatório. A denúncia foi oferecida em 13 de janeiro deste ano. Em 2019, ela foi denunciada duas outras vezes, pelo mesmo motivo.

Neste caso específico, ela deixou de restituir o processo, desde 18 de março do ano passado, tendo os autos sido retirados em 29 de novembro de 2018. O promotor observa que ela reteve os documentos indevidamente, a partir do momento em que foi intimada a devolvê-los em 18 de março e, posteriormente, em 25 de abril de 2019.

Eliseu Belo relatou que, após várias diligências do Judiciário, foi determinada a busca e a apreensão do processo, mas a tentativa foi frustrada, por não ter sido encontrada no endereço do escritório de advocacia em que supostamente atuava. A informação tomada no local foi a de que não a conheciam.

(Fonte: MP-GO)


📰 Leia também:

➡️ Mega Combo de Petições 2020 mais de 4.137 modelos de ALTO VALOR testadas e aprovadas, e o melhor: verdadeiramente atualizadas!

➡️ Seja Aprovado na Prova de Delegado da Policia Civil estudando pelo método mais eficiente de estudos que é questões comentadas...

➡️ Cronograma 30 Dias para Aprovação na OAB - O melhor custo benefício em Planejamento de Estudo do Mercado

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Creio que a magistrada usurpou a função da OAB, deveria ter decretado a prisão preventiva da mesma, e não suspender a atividade profissional, tal ato é estranho a suas funções. continuar lendo

Plenamente incompetente para arbitrar tal decisão !!!(Juiz tem que se atualizar) continuar lendo